download download download download download

Mostrando postagens com marcador Opinião. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Opinião. Mostrar todas as postagens

domingo, 10 de janeiro de 2021

Igreja online, ou igreja com presença online?

 Membros comprometidos com o Corpo de Cristo, ou apenas consumidores de conteúdo religioso digital?

culto online
Photo by Aaron Burden on Unsplash

Pr. Cleber Montes Moreira

 

A realidade presente, em função da pandemia, nos obriga a buscar alternativas e soluções para que as coisas funcionem, e isso inclui as igrejas. Embora a presença virtual das igrejas já fosse uma realidade, em virtude da situação atual aumentou significativamente. Até mesmo igrejas que não tinham página no Facebook ou canal no YouTube, por exemplo, ingressaram nas redes com cultos, estudos bíblicos, PGMs, aconselhamentos etc. É certo que as redes sociais são excelentes ferramentas de comunicação, e a presença online pode contribuir para que a mensagem do evangelho tenha maior abrangência e alcance muito mais pessoas, sendo, assim, um recurso do qual as igrejas não devem se abdicar. Entretanto, o seu uso inadequado pode acarretar sérios prejuízos. Exemplifico: Durante este período algumas igrejas inovaram (se é que podemos chamar isso de inovação) e, além das transmissões onlines, passaram a celebrar a “Ceia Online”, “Batismos Online”, e até passaram a realizar “Celebração Online de Casamento”, coisas antes inimagináveis que agridem o bom-senso e ferem a sã doutrina.

Pelo que temos visto, parece que as “inovações” não terminaram. É o caso de certa igreja que resolveu reformar seu estatuto e incluir nele uma nova “modalidade de membros”, os chamados “membros onlines”. Certamente que esta igreja terá que implementar formas online para receber estes membros, seja por carta de transferência ou por batismo, bem como desenvolver métodos de interação online, e oferecer-lhes tudo que um membro presencial tem à disposição em sua igreja local. Esta igreja também terá de celebrar a ceia online, e criar condições para doutrinamento — se é que isso interessa, bem como tomar outras providências.

Um líder denominacional, numa live recente, admitiu a possibilidade de “igrejas onlines” — totalmente online, sem um templo com endereço físico, apenas com endereço virtual, que receba membros e que realize todas as suas celebrações, inclusive das ordenanças bíblicas, online. Chegou a discorrer sobre o “conforto” de ser um membro online, tendo, por exemplo, a liberdade para escolher seus horários: o membro poderia acordar tarde, almoçar, ver TV, jogar uma partida de futebol e, à tardinha ou mesmo à noite, participar da EBD — propôs. Apresentou ainda a possibilidade de alguém se tornar membro de uma igreja distante de sua casa, uma vez que no mundo virtual não teria que percorrer quilômetros para participar do culto, bastando, para isso, apenas alguns cliques.

É certo que as pessoas buscam facilidades. Já podemos ter na palma da mão, digo, no smartphone, o nosso Título de Eleitor, a nossa CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e outros documentos importantes. Não precisamos sair de casa para pedir comida e várias outras coisas, pois já há serviços de entrega para quase tudo. Até médicos há que estão realizando “consultas virtuais”, e planos de saúde que oferecem o serviço. Faz pouco tempo li um anúncio inusitado de uma profissional oferecendo “atendimento odontológico online” — fiquei surpreso e pensativo: como seria tal atendimento? Se as pessoas podem fazer transações bancárias online, consultar um advogado online, namorar (e trair) online e tantas outras coisas, por que não podem “cultuar”? Aliás, igrejas apenas online já são uma realidade. Por incrível que pareça há uma que afirma ser “uma igreja relacional” — estão confundindo ‘comunhão’ com ‘conexão’.

A Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira diz que a igreja é “uma congregação local de pessoas regeneradas e batizadas após profissão de fé”1. Por este entendimento é que os batistas fundamentam sua eclesiologia no conceito de igreja local (não virtual), porque nela o salvo é recebido, desenvolve e realiza seus dons servindo a Deus, ao próximo e à sua comunidade; é na vida da igreja local que ele experimenta a comunhão e pratica a mutualidade. Este conceito de igreja como “ajuntamentos” locais está explícito no Novo Testamento. Apresento aqui apenas algumas referências: Paulo e Silas passaram pela “Síria e Cilícia, confirmando as igrejas” (Atos 15:41). Paulo saudou “às igrejas da Galácia” (Gálatas 1:2). Aquila e Priscila, em Roma e em Éfeso, cediam seu lar para as reuniões da igreja (Romanos 16:3-5; 1 Coríntios 16:19). O Senhor Jesus escreveu, por meio de João, cartas às sete igrejas da Ásia (Apocalipse 2 e 3). Paulo, corrigindo os desvios na celebração da Ceia do Senhor na igreja em Corinto, repreendeu aqueles irmãos dizendo: “De sorte que, quando vos ajuntais num lugar, não é para comer a ceia do Senhor”; “Portanto, meus irmãos, quando vos ajuntais para comer, esperai uns pelos outros” (1 Coríntios 11:20,33 — grifo do autor). O mesmo conceito é usado quando o apóstolo trata sobre a questão de “línguas”: “Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão porventura que estais loucos?” (1 Coríntios 14:23). Já o escritor Aos Hebreus faz a seguinte exortação: “Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia”. Na Bíblia King James Atualizada lemos: “Não abandonemos a tradição de nos reunirmos como igreja, segundo o procedimento de alguns, mas, pelo contrário, motivemo-nos uns aos outros, tanto mais quanto vedes que o Dia está se aproximando. O castigo do pecado renitente” (Hebreus 10:25 — grifo do autor). O autor usa o grego episunagógé, significando “um encontro, uma assembleia”2, e as ações mencionadas no texto somente são possíveis presencialmente.

O conceito de “igreja virtual” ou “igreja online” — diferente de presença online — fere a ideia de igreja corrente no Novo Testamento e, portanto, deve ser rejeitada.

Por fim, entendo que a realidade de “igrejas online” transforma o membro em mero consumidor de conteúdo religioso digital — ele deixa de ser membro “dos outros” (Romanos 12:5; Efésios 4:25), de ser um cooperador que serve com seus dons para a edificação do Corpo de Cristo e, sem a necessidade de compromisso e fidelidade com uma igreja local, sem a consciência de pertencimento, ele passa a navegar em busca dos melhores serviços e conteúdos, ou daquilo que lhe agrada. Assim fazendo ele acaba se transformando num nômade virtual, ou mesmo num desigrejado moderno.


1 http://www.convencaobatista.com.br/siteNovo/pagina.php?MEN_ID=22

2 Strong

sábado, 28 de novembro de 2020

Se a moda é repreender, amarrar, expulsar, exorcizar….

 “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:32)

Bíblia
Imagem: unsplash

Pr. Cleber Montes Moreira

 

Certa igreja evangélica muito famosa, “da moda”, durante um Congresso para Mulheres surgiu com mais uma invencionice de sua vasta coleção de heresias: o de Espírito de Solteirice! “Um clamor” foi levantado em favor das mulheres acima de 30 anos, no qual o malvado espírito foi devidamente repreendido.

Se a moda é repreender, amarrar, expulsar ou exorcizar, sinto-me no dever de colaborar com algumas dicas para essa gente desconectada da Bíblia. Vamos lá:

Além do Espírito Mau da Encalhação, bem que poderiam repreender alguns outros… Que tal começar pelo Espírito de Heresias e de Engano que age livremente na atmosfera gospel, afastando pessoas da Palavra de Deus, dividindo, causando escândalos e servindo de tropeço para os não conversos?

Que tal também extirpar o Espírito de Mamon, cultuado por bispos, apóstolos, missionários, pastores, profetas avarentos etc., que tem depenado o povo mal orientado na fé e enriquecido a líderes gananciosos?

E o Espírito de Charlatanismo que anda solto por aí, por que não amarrá-lo também?

Por que não amarrar o Espírito de Idolatria que, possuindo mentes fracas, leva pessoas a elegerem e adorarem deuses humanos como cantores, pastores, bispos, apóstolos etc., afastando-as daquele que verdadeiramente é digno de exclusiva adoração?

Outra ótima sugestão é amarrar o Espírito de Superstição, que alimenta a fé no sal grosso, nas águas ungidas por pseudos apóstolos, nas rosas, nas capas vermelhas, nos gravetos da cruz de Cristo, nas pedrinhas do Rio Jordão, nas porções de terra de lugares por onde o Salvador andou (ou jamais pisou), nas velas, nas meias e lenços ‘valdemirianos’ e tantos outros objetos sacralizados.

Bem que poderiam extirpar para sempre o Espírito Triunfalista de suas canções, que apregoa falsas vitórias, falsas promessas e semeia heresias no seio das igrejas.

Não podem se esquecer do Espírito de Soberba. Ele é o responsável pela morte da humildade no meio dito evangélico.

Extirpem também o Espírito de Vaidade, que se incorpora nos falsos servos que buscam a glória e a honra pessoal.

É preciso banir com urgência o Espírito de Visões, Sonhos e Revelações Extra-bíblicas, que engana o povo incauto.

Afastem também o Espírito de Variedade de Unções, que desencadeia a falsa sensação de poder e autoridade humana no meio das igrejas.

Amarrem bem o Espírito de Imprecações, Decretações e Declarações que usa, indevidamente, a autoridade do nome de Jesus.

Aniquilem o Espírito de uso Indevido da Bíblia, que usa “textos fora do contexto para simples pretexto”.

Anulem ainda o Espírito que Prega o Falso Cristianismo, fácil, cômodo, desprovido da cruz e do compromisso com o Salvador.

Por fim, para acabar com tudo isso, exorcizem, por favor, o Espírito de Invencionice. Assim a criatividade termina de vez!

Quem sabe repreendendo tais espíritos, o show termine e Deus seja verdadeiramente cultuado?

 

E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, orar e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” (2º Crônicas 7.14).


quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Os deuses Morrem

 Os deuses morrem, e os sepulcros comprovam isso...

Maradona
Imagem: Unsplash


Pr. Cleber Montes Moreira

 

O Jornal francês “L’Eequipe” publicou neste dia 26 de novembro: “Deus está morto”1. Os deuses morrem, inclusive os “imortais”. Quando morre um deus, morre também a alegria, a fé e a esperança de seus fiéis. Esta verdade ganhou destaque na publicação do Jornal Extra, intitulada: “Igreja Maradoniana convoca ‘culto’ para se despedir de Maradona.”2 Já o Metrópolis grafou: “Fiéis de luto”3 — sim, fiéis de luto pela morte de seu deus.

 

Maradona era um deus. De fato, com a sua morte ele conseguiu algo que só um ser divino poderia realizar: contrariando as leis naturais ele anulou, ainda que apenas pelo período de seu funeral, o perigo mortal que fez com que o governo argentino adotasse as regras mais rígidas possíveis para o enfrentamento do coronavírus. Tanto que os jornais exibem hoje imagens de pessoas aglomeradas, algumas de máscaras, outras sem, ao redor da Casa Rosada onde as autoridades esperam cerca de um milhão de pessoas — talvez bem mais — para o velório de seu ídolo.

 

O craque argentino está certamente entre os dois ou três maiores jogadores de futebol da história. Com a bola um gênio, sem ela um ser falho, um pecador, um mortal… Para a morte não há reis, príncipes, nem deuses.

 

Os deuses morrem. Morrem porque são deuses, feitos assim pelos homens. Como seres criados, os deuses são à semelhança de seu criador. “Aos homens está ordenado morrerem uma vez,” e também aos deuses, “vindo depois disso o juízo” (Hebreus 9:27). Sim, também os deuses terão que prestar contas a Deus, àquele “que tem, ele só, a imortalidade”, “ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus”, diante do qual todo joelho se dobrará (1 Timóteo 1:17; 6:16; Romanos 14:11; Filipenses 2:10).

 

Os deuses morrem, e os sepulcros comprovam isso, mas Deus é eterno. Quem adora um deus um dia estará de luto, ou, se partir antes, perdido eternamente, mas os que adoram ao Senhor não serão confundidos, nem envergonhados, pois Ele é eterno.

 

Se o seu “deus está morto”, saiba que “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente” (Hebreus 13:8); Ele “é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1 João 5:20). Pense nisso!



1 https://www.lequipe.fr/abonnement/kiosque/le-journal/ab2ba183-ce7b-4c28-882d-006475cc446d (em 26 de novembro de 2020)

2 https://extra.globo.com/noticias/page-not-found/igreja-maradoniana-convoca-culto-para-se-despedir-de-maradona-24764748.html (em 25 de novembro de 2020).

3 https://www.metropoles.com/esportes/futebol/fieis-de-luto-reveja-historia-da-igreja-de-maradona-da-argentina (em 25 de novembro de 2020)


sábado, 24 de outubro de 2020

Onde está a cruz?

A cruz é o lugar onde renunciamos à nossa própria vida para desfrutarmos da vida abundante que só Cristo pode dar; uma vida cujo prazer, contentamento e propósito está naquele que é o autor e consumador da nossa fé. A cruz é o lugar onde é mortificado o adorador de si mesmo para, na Palavra e pelo poder do Espírito, ser gerado um novo ser capaz de adorar a Deus em espírito e em verdade

ao pé da cruz
Imagem: Pixabay

“Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos renoveis no espírito da vossa mente; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade.” (Efésios 4:22-24)


Pr. Cleber Montes Moreira


Numa postagem no Facebook uma internauta elogiava jovens evangélicos de um determinado grupo por sua prontidão para servir “atendendo ao chamado”. Nas fotos, jovens descontraídos, demonstrando alegria, em cenas divertidas. Nos vídeos, coreografias ao som de músicas dançantes em ambiente com paredes escuras e luzes de neon — não consegui identificar se a celebração cúltica ocorria num templo religioso ou outro espaço próprio para shows. No palco “animadores” e “dançarinos” comandavam a galera, tendo num telão projetada a imagem de um leão. Durante aquela performance espetacular a maioria, aglomerada, usava máscaras — não entendi se em obediência a algum protocolo determinado por algum decreto, em decorrência da pandemia, ou se, inconscientemente, como indicativo de falsa espiritualidade.

 

Observando atentamente aquelas fotos e vídeos, notando com atenção cada cena registrada do ambiente, surgiu em minha mente uma pergunta inquietante: Onde está a cruz? Não falo sobre uma cruz de madeira, metal ou outro material, pendurada em algum pescoço, fixada ou projetada numa parede — porque este tipo de cruz não havia, mesmo —, mas da cruz do evangelho. Falo da cruz sobre a qual Jesus falou: “E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim” (Mateus 10:38). Falo da cruz sem a qual ninguém é, verdadeiramente, cristão. Falo da cruz de quem renunciando à sua vida, por amor ao Senhor, encontra a vida abundante que só Cristo pode dar (Mateus 10:39); uma vida cujo prazer, contentamento e propósito está naquele que é o “autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus” (Hebreus 12:2); uma cruz pela qual somos libertos da antiga natureza, do velho modo de viver, corrompido pelos desejos impuros e pelo engano, tendo nossos pensamentos e atitudes renovados pelo Espírito Santo, sendo, agora, revestidos por uma nova natureza, criada para ser justa e santa, segundo o padrão de Deus (confira Efésios 4:22-24); falo da cruz que nos transforma em “verdadeiros adoradores” cuja adoração é “em espírito e em verdade” (João 4:22-24), não na carne, não no engano, não movida pelo hedonismo, tendo não o homem, mas Cristo como centro e Sua glória como propósito.

 

Culto a Deus não é oferecido com agitação de corpos, danças, gritos, cambalhotas, declarações triunfalistas, sermonetes descontextualizados… Devemos aprender com Paulo que o culto racional se pratica na inconformação com o mundo, renovação da mente e na experiência da vontade de Deus mediante a apresentação dos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus (Romanos 12:1,2). Precisamos aprender da experiência de Isaías, quando os serafins em reverência cobriam com suas asas seus rostos e pés enquanto declaravam que “Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória”, e com o profeta que, diante da presença de Deus, em temor e reconhecimento, exclamou: “Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos” (Isaías 6:3).

 

As igrejas falham quando proveem entretenimento para os jovens como estratégia para atraí-los ou “mantê-los na igreja”, produzindo, assim, um estilo carnal de ‘adoração’ descolada da cruz. Charles Spurgeon, dizia: “o diabo raramente teve uma ideia mais sagaz que sugerir à igreja que parte da sua missão é fornecer entretenimento para as pessoas, tendo em vista conquistá-las”. Não sou contra o entretenimento, no tempo e no espaço próprio, mas entendo que o “evangelho do entretenimento” não leva ninguém ao Salvador, não produz discípulos de Cristo, embora seja eficaz em produzir adesões; afinal, é natural que jovens de vida secular sejam facilmente atraídos por este tipo de oferta, uma vez que encontram na “igreja” atrativos que há mundo. Além disso, podem levar uma “vida divertida”, e até liberal, seguindo um falso evangelho capaz de aplacar suas consciências. Não é sem motivo que certa ocasião, uma famosa atriz, ao dar seu testemunho — ou tristemunho — declarou que escolheu ser membro de uma determinada igreja porque lá não havia regras, e que podia estar em comunhão com Deus e continuar fazendo tudo o que fazia antes. Certamente que o diabo se especializou em oferecer ao pecador um evangelho palatável, que não requer abnegação nem santidade, um evangelho sem exigências e sem a cruz.

 

Pensemos no que disse Joe Thorn: “A infiltração do entretenimento dentro do culto não é uma questão de estilo, mas de substância. O entretenimento é uma coisa boa, mas o seu propósito é o alívio da mente e do corpo, não a transformação da mente ou a edificação do espírito.”

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Mamãe ou Papai?

 “Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos inteligentes.” (1 Coríntios 1:19)

mamãe ou papai

Opinião


Pr. Cleber Montes Moreira


A Revista Crescer publicou, no dia 23 de setembro, com base numa entrevista com a enfermeira Aline Oliveira, matéria intitulada “Homem trans descobre gravidez de gêmeos com cinco meses”1. No texto o uso de “ele”, “dele”, “o gestante”, “o paciente” etc., segue a tendência do “politicamente correto” como padrão quase universal adotado pela imprensa. Em certo momento a entrevistada, tratando sobre a decisão “do gestante” por ficar com os bebês, após desistir de entregá-los para adoção, diz: “É legal o posicionamento dele, ele diz que não vai ser mãe, vai ser pai”. Entretanto, logo após escorrega ao afirmar: “Ela disse que não se sente confortável em amamentar e nós percebemos já o incomodo dele com os seios crescendo por causa do leite. É um sofrimento para ele” — a entrevistada começa com “ela”, depois usa os pronomes “dele” e “ele”.

Não trato aqui especificamente sobre o caso deste “grávido” — o debate não é sobre pessoas —, mas sobre a questão da gravidez (indesejada ou não) de “homens trans” como algo que ocorre com certa frequência2, o que demonstra que a negação do sexo biológico afronta a natureza, e ela não deixa barato.

Pense comigo: Como um “homem trans” engravida? Fazendo sexo, obviamente que assumindo na hora do ato o papel de mulher. E como podemos chamar homem alguém que tem vagina, útero, menstrua, engravida, os seios crescem durante a gravidez e é capaz de amamentar? Por mais que a falsa ciência queira negar o padrão de Deus e colaborar na perversão humana, a natureza, seguindo o curso determinado pelo Criador, sempre prega uma peça nos “sabichões” — e assim o Eterno vai destruindo a “sabedoria dos sábios” e aniquilando a “inteligência dos inteligentes”.

Segundo o Dicionário Michaelis Online, homem é “o ser humano do sexo masculino”3, enquanto mulher é “ser humano do sexo feminino”4. É evidente que isso não é uma “construção social”, mas determinação daquele que “homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27). Jesus mesmo afirmou: “Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea” (Marcos 10:6), e isso não pode ser mudado — a natureza está aí para provar.


1 https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/noticia/2020/09/homem-trans-descobre-gravidez-de-gemeos-com-cinco-meses.html (acessado em 23 de setembro de 2020)

2 No dia 24 de setembro de 2020 fiz uma busca no Google por “homem trans engravida” obtendo “aproximadamente 35.800 resultados”

3 https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/homem/

4 https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/mulher/

sábado, 5 de setembro de 2020

Varinha de Condão

Os empreendimentos religiosos se sustentam por duas iniciativas: o desejo do (in)fiel, incauto, que busca soluções e/ou prosperidade fácil, e a ambição do lobo voraz, aproveitador, falsário da Palavra. Ambos pecam pelo apetite carnal e se afastam cada vez mais de Deus; o primeiro, às vezes, pela ignorância (e ganância), o segundo pela má-fé

vara mágica
Imagem: Pixabay

“E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.” (2 Pedro 2:1-3)


Pr. Cleber Montes Moreira


O que é uma vara de condão? É uma pequena vara usada por fadas, feiticeiros, mágicos e afins, que supostamente tem atributo especial ou poder sobrenatural para exercer uma influência negativa ou positiva e, hipoteticamente, mágica. Enquanto escrevo estas primeiras linhas, meu filho de seis anos* lê e observa:

— Pai, isso não existe!

Tudo bem, não se desespere, pois a Teologia da Prosperidade criou, faz algum tempo, diretamente de sua oficina, a caneta ungida. As esferográficas made in China, ungidas pelo “homem de deus” em algum monte por aí, prometem ser a vara de condão para quem quer passar em provas, concursos públicos, assinar contratos, abrir empresas etc. Para ter uma, basta ofertar, quer dizer, semear, a pequena quantia de cem reais. Uma proposta tentadora, já que os benefícios trazem retornos infinitamente maiores.

Pesquisando sobre o assunto, encontrei num site de leilões e compras virtuais uma caneta de marca nacional, também ungida, e cujo anúncio contém as mesmas promessas. Não sei se uma franquia da loja anterior, digo, igreja, ou se algum novo empreendedor, digo, homem de deus, que abriu concorrência. Fato é que já existem outros “investidores” oferecendo o mesmo produto, um gritando mais alto que o outro para atrair a freguesia.

Não é de hoje que objetos ungidos têm sido colocados nas prateleiras do mercado da fé. Água ungida, sal ungido, lenços, mantos, óleos, alianças, saquinhos de cimento, tijolos, colher de pedreiro, chaves, rosas, meias de algodão, lâmpadas benzidas em Israel, vassouras, kits de beleza, rendinha do milagre, fronha… Ufa! Quase perdi o fôlego. Não dá para listar aqui todos os itens, até porque O Fantástico Mundo dos Empreendedores da Fé sempre surpreende com alguma novidade1. É a lei da oferta e da procura que viabiliza os negócios de quem vende e quem compra. Chamar isso de evangelho é apenas questão de marketing; usar a Bíblia e afirmar falar em nome de Deus sempre dá bons resultados. A “fé”, sem a qual o “milagre não acontece”, é a “vara de condão” dos encantadores.

Os empreendimentos religiosos se sustentam por duas iniciativas: o desejo do (in)fiel, incauto, que busca soluções e/ou prosperidade fácil, e a ambição do lobo voraz, aproveitador, falsário da Palavra. Ambos pecam pelo apetite carnal e se afastam cada vez mais de Deus; o primeiro, às vezes, pela ignorância (e ganância), o segundo pela má-fé.

Se você busca sinceramente a Deus, esteja atento: Varinha de Condão não existe! Nossa esperança em Cristo não deve ser apenas para este mundo (1 Coríntios 15:19). O evangelho não é uma promessa de soluções fáceis, imediatas e temporais, mas a Boa Nova de perdão e salvação para aquele que, pela fé, renunciar a si mesmo, tomar a sua cruz e seguir após o Salvador (Lucas 9:23).


* Texto escrito em 2018


1 Veja aqui alguns destes objetos “ungidos”: https://www.youtube.com/watch?v=0o6rciU1SHY (acessado em 19 de abril de 2018).

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

A Caixinha

 “Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.” (Romanos 1:21,22)

caixinha
Imagem: Unsplash


Pr. Cleber Montes Moreira

 

Nestes dias tão conturbados querem nos proibir de pensar: autoridades constituídas, líderes religiosos e forças “ocultas” querem proibir qualquer pensamento e/ou expressão antagônica ao “novo moralismo” que tentam nos impor. Não é sem motivo que alguns se apresentam como “editores da sociedade”. Quem ousa desafiar tal proibição é “intolerante”, “hipócrita”, “fariseu”, “preconceituoso”, “racista”, “fascista”, “misógino”, “xenofóbico” etc. Palavras de ordem em defesa da desordem que querem instaurar. 

Para ser aceito nesta nova sociedade você deve pensar fora da “caixinha”. Esta “caixinha” pode ser a Bíblia, uma tradição familiar, os bons costumes… Você precisa se libertar dessas “prisões”. Mas não saia por aí pensando por conta própria, isso é perigoso. Junte-se àqueles que te ajudarão neste novo processo de aprendizagem do “pensamento”. Por isso, ao sair da velha “caixa” você deverá entrar naquela que comporta outros valores — isso porque ninguém pensa fora da caixa, apenas escolhe a sua. Para ser livre você deverá vestir a camisa da ideologia e se juntar aos novos companheiros de militância. Nesta nova “caixinha” vigora uma cartilha onde você aprende que aqueles que pensam diferente são inimigos, e você deve enfrentá-los com suas novas armas. Se, por exemplo, aqueles que permanecem na velha “caixa”, sob os mesmos velhos argumentos, se manifestarem contra o aborto, diga que são “radicais” e “violentos”, e se for praticado por uma menina de apenas 10 anos (também vítima de violência), que é para proteger a vida dela (ainda que o aborto seja um risco maior). Explique que você não está defendendo o aborto, mas que neste caso ele é legal e necessário, que não se trata de feticídio pois o feto (mesmo com 22 semanas) ainda não tem consciência. Denuncie os médicos que se recusaram a aplicar a solução letal no pequeno corpo, diga que deveriam ser enquadrados por uma nova lei, a do “não exercício legal da profissão”, e exalte aqueles que cumpriram o seu dever em “defesa da vida” — mesmo que nenhuma vida precisasse ser sacrificada. Se disserem que “Deus é contra a matança de inocentes”, fundamente sua contra-argumentação no novo evangelho, fale sobre a “lei do amor”, cite os teólogos progressistas e discorra sobre os sagrados “direitos reprodutivos das mulheres”. Se insistirem, diga que servem a um “deus” intransigente, impiedoso, assassino… Se defenderem a família, acuse-os de “defensores da moral e dos bons costumes” — uma outra expressão para “caretas”, “antiquados”, “falsos moralistas” etc. Seu dever é sempre se opor a todo “discurso de ódio”. Mas fique tranquilo, o seu ódio não é ódio, só o deles.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

A celebração da morte, a “Nova Ordem” e o “crime de pensamento”

 A celebração da morte indica que já vivemos sob uma “Nova Ordem”. Pode ser que em breve a ficção vire realidade, e que insurgentes sejam levados aos tribunais acusados de “crime de pensamento”

vazio
Imagem: Pixabay


Pr. Cleber Montes Moreira


Há muito que se discute a pena de morte no Brasil. Ela já está em vigor, faz tempo, e é aplicada de diversas formas. Ontem mais um inocente foi condenado à pena capital, enquanto o verdadeiro culpado segue foragido. O condenado um nascituro, de apenas 5 meses de gestação. Ele não conheceu o rosto da mãe. Foi morto sem nunca ter recebido o conforto de um colo, sentido o calor de um abraço, escutado uma canção de ninar, dormido num berço fofinho… Não teve um quarto preparado para recebê-lo, nem quem esperasse alegre por sua chegada. Não pôde ver a luz do dia, foi privado da infância, de brincar, de ir à escola, de sonhar… Os da própria família decidiram que ele não era bem-vindo.

O juiz que atendeu ao pedido do Ministério Público Estadual e ordenou a interrupção da gravidez, argumentou que “é legítimo e legal o aborto acima de 20-22 semanas no caso de gravidez decorrente de estupro, risco à vida da mulher e anencefalia fetal”, e disse que “a vontade da criança é soberana ainda que trate de incapaz, tendo a mesma declarado que não deseja dar seguimento à gravidez fruto de extrema violência que sofreu”.1 Percebam a incoerência: a criança de 10 anos sofreu “extrema violência”, mas o assassinato de uma criança em gestação não é violência alguma, apenas um ato legal. Sobre a afirmação de que “a vontade da criança é soberana”, pasmem, este é o mesmo argumento de muitos que defendem a pedofilia — talvez o magistrado não saiba.

Hoje alguns jornais noticiam que a criança, a de 10 anos, passa bem. Sobre a que foi assassinada não há notas nem pesar. Para os contrários à pena de morte sobram ameaças. Sim, a mídia que faz propaganda pró aborto, despudoradamente, publicou (com direito a gerundismo): “Promotoria vai investigar se grupos tentaram pressionar avó de menina estuprada a não autorizar aborto: O MP também vai investigar áudios de conversas de pessoas que estariam pressionando a família da criança a não interromper a gravidez.” O El País denunciou que “Ativistas radicais gritavam ‘Assassino’ na porta da clínica neste domingo para que não se cumprisse a lei”. Vejam: defensores da vida, em manifestação pacífica, são “ativistas radicais”.2 Nenhuma novidade: o certo é errado e o errado é certo, isso é do “politicamente correto”, é da Nova Ordem, é do “novo normal”; quem não se amolda ao novo padrão é um corpo estranho que precisa ser extirpado, tal como o inocente de seu “lar uterino”. Não estranhem se em breve “ativistas radicais” forem condenados e presos; se a morte de inocentes indefesos é legal, por que não criminalizar estes manifestantes perturbadores da ordem?

Hoje há comemoração — ainda que velada. Sim, há quem salte de alegria porque um indefeso inocente foi morto. Trata-se do mesmo sentimento daqueles que em 2018, emocionados, comemoraram em público a descriminalização da interrupção da gravidez na Irlanda.3 Abortistas também festejaram a legalização do aborto na França até o nono mês de gravidez. Como se não bastasse, já há quem defenda o “aborto pós-parto”, e não duvidem de que criem um Projeto de Lei para isso.

A celebração da morte é um dos indicativos de que já vivemos sob uma “Nova Ordem”. Temo que em breve a ficção vire realidade, e que discordantes, sob a alegação de “ativismo radical” e subversão da ordem, sejam levados aos tribunais e respondam por “crime de pensamento”.4


1 https://www.agazeta.com.br/es/cotidiano/medicos-concluem-1-etapa-de-interrupcao-de-gravidez-de-menina-estuprada-no-es-0820 (acessado em 17 de agosto de 2020)

2 https://brasil.elpais.com/brasil/2020-08-16/menina-de-10-anos-violentada-fara-aborto-legal-sob-alarde-de-conservadores-a-porta-do-hospital.html (acessado em 17 de agosto de 2020)

3 https://www.huffpostbrasil.com/2018/05/26/o-sim-para-a-legalizacao-do-aborto-e-as-imagens-da-comemoracao-das-mulheres-na-irlanda_a_23444154/ (acessado em 17 de agosto de 2020)

4 https://pt.wikipedia.org/wiki/Crime_de_pensamento (acessado em 17 de agosto de 2020)

domingo, 16 de agosto de 2020

O evangelho ou “siga o fluxo”

Quer salvar vidas? Pregue o evangelho! Não tenha vergonha da Palavra da Verdade. Quer o templo abarrotado? Quer novas adesões? Fácil, siga o fluxo

Bíblia
Imagem: Unsplash

“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.” (Romanos 1:16)


Pr. Cleber Montes Moreira


Tem sido afirmado que vivemos um tempo de muitas adesões e poucas conversões no seio das igrejas. Isso é fato inegável, tanto que considero o meio dito evangélico como sendo um grande desafio missionário para este tempo. A multidão de não convertidos, misturada aos crentes, na membresia das igrejas, atesta tal realidade. Em função disso vemos membros se comportando como infiéis, dando péssimo testemunho e provocando escândalos. Eles estão em toda parte, em todos os setores da sociedade, ostentando o nome de Cristo, porém, vivendo em oposição aos Seus ensinos e valores. Como ilustração, lembro aqui aquele caso que ficou conhecido em todo o Brasil, em que deputados, ditos evangélicos, oram agradecendo a Deus pela propina recebida.

Em que a igreja está errando exatamente? Por que há entre nós tanta gente perdida? O assunto merece uma abordagem muito ampla, o que não farei aqui por questão de tempo e espaço, mas, em resumo, digo que a mensagem do evangelho tem sido substituída por mensagens e estratégias meramente humanas (para não dizer diabólicas). A prova disso é a quantidade de métodos e modelos de gerenciamento de igrejas e fórmulas para crescimento cada vez mais empregadas (há sempre alguém que se apresenta como descobridor da pólvora).

Pastores deixaram de pastorear para exercerem a função de CEO. O marketing das igrejas é aprimorado, mas o pastoreio de fato e o ensino da Sã Doutrina são abandonados. Veja, por exemplo, algumas frases em placas de igrejas: “Lugar de gente feliz”, “Lugar de gente feliz e ungida”, “Sempre pensando em te fazer feliz”, “Lugar de bênção”, “Lugar de vitórias e milagres”, “Casa de milagres”, “Igreja que ama você”, “Pare de sofrer”, “Uma fonte de prosperidade”. Numa outra está “A grande onda vai te pegar”. Isso me faz lembrar a publicidade de algumas grandes marcas, como Magazine Luíza que adotou o slogan “Vem Ser Feliz”. A Coca-Cola já usou “Abra a Felicidade”; o empresário Abílio Diniz, provocando concorrentes, chegou a dizer: “Agora, lugar de gente feliz é no Carrefour.” Há empresas especializadas neste tipo de marketing, que prestam assessoria às igrejas e cuidam da imagem do pastor, bispo ou apóstolo.

Uma certa igreja tirou o nome de sua denominação da fachada e colocou “Igreja da Cidade”. O motivo? Estratégia de marketing. Como fruto dessa propaganda, muitas igrejas estão se tornando menos bíblicas e mais inclusivas (no sentido secular do termo). Imagino o dia em que seminários substituirão a formação teológica pela de “Gestores Eclesiásticos”. Creia, isso não demora a acontecer.

A afirmação paulina deve ser objeto de reflexão: O evangelho “é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê”. Somente o evangelho, o puro e verdadeiro evangelho, e nada mais! Paulo estava pronto para anunciar o evangelho (Romanos 1:15). A mensagem confiada à igreja é o evangelho. O “IDE” de Jesus é para comunicar o evangelho. A fé vem pelo ouvir, e ouvir o evangelho. Nada no plano de Deus substitui o evangelho. Quem troca o evangelho por um método, estratégia ou fórmula faz a obra do diabo, e não a obra de Cristo. Por isso tenho dito: Ah, se a igreja fosse tão somente e simplesmente igreja e nada mais, certamente que a realidade seria outra, bem diferente da que enxergamos.

Há, diante do exposto, dois caminhos que as lideranças das igrejas devem observar e escolher, segundo o seu propósito: Quer salvar vidas? Pregue o evangelho! Não tenha vergonha da Palavra da Verdade. Quer seu templo abarrotado? Quer novas adesões? Fácil, siga o fluxo. No mundo há ótimas estratégias e modelos que você pode escolher. Sua escolha certamente será segundo a natureza de seu chamado.


NOTA: O problema que aqui considero não é o uso de estratégias e marketing, mas a finalidade do emprego destes expedientes em detrimento da direção do Espírito e abandono da Verdade.

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Igreja ou prostíbulo?

 “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela.” (Mateus 7:13)

porta
Imagem: Unsplash


Pr. Cleber Montes Moreira


O Pastor Neemias Santos Lima, em seu livro “Aos Olhos do Pai”, cita que em visita à Segunda Igreja Batista de Porto Velho, Rondônia, pôde ouvir do Pastor Márcio Hübner, então Secretário Executivo da Convenção Batista daquele Estado, uma história interessante a respeito daquela igreja: “Quando o templo foi construído, havia uma casa de prostituição cujo nome era Porta Larga. Para contrastar com essa realidade, a igreja fez o templo com a porta estreita.

Talvez aquela igreja quisesse ensinar para a sociedade que a porta do inferno é larga, enquanto a do céu é bem estreita, fazendo ecoar, assim, o ensino do próprio Cristo.

Quem quiser entrar para o reino de Deus deverá, sem dúvidas, andar por um caminho difícil e atravessar por uma porta estreita. Aqueles que desejam o mundo encontrão portas largas e escancaradas, andarão por avenidas asfaltadas e terão caminho livre para o inferno. O mundo oferece prazeres que satisfazem a carne, porém, quem deseja a vida eterna tem que mortificar a carne e rejeitar o mundo e suas ofertas. Por isso, a mensagem da igreja deve enfatizar o arrependimento e o nascimento para uma nova vida. Mas, é assim que ocorre hoje em dia?

Tenho visto muitas igrejas com portas bem largas. São igrejas que deixaram de ser igrejas, segundo a Bíblia, para se tornarem verdadeiros prostíbulos espirituais, promovendo qualquer coisa capaz de atrair pessoas para seus templos. Suavizam o evangelho, negociam princípios e doutrinas, promovem entretenimento, pregam sermões de autoajuda e fazem muitas outras coisas. Normalmente têm marketing bem agressivo.

É lamentável ver como algumas igrejas se esforçam para alargar o caminho. Por causa disso, elas estão com seus templos cheios de pessoas vazias; gente que encontra alegria passageira, experimenta emoções, que nutre algum tipo de fé, mas segue sem a experiência de uma conversão genuína. Gente crente, mas não cristã. Gente perdida andando por um caminho largo.

A porta de sua igreja é larga ou estreita? Digo da igreja, e não do templo. Sua mensagem é cristocêntrica ou antropocêntrica? Ou seja, é bíblica, ou adaptada para agradar e atrair pessoas? Esteja atento para não confundir igreja com prostíbulo. A diferença, neste caso, está na largura da porta.

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Ser cristão ou ser “a Universal”?

 Pessoas há que, estimuladas pelo marketing agressivo, tornam-se simpatizantes e até seguidoras de um evangelho cujo foco está no sucesso temporal, e não na salvação eterna

religião
Imagem: Unsplash


“Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra.” (Hebreus 11:13)


Pr. Cleber Montes Moreira


Há um comercial de TV muito conhecido no qual pessoas bem-sucedidas contam sua história de vida, declaram seu progresso, vitórias e sucessos, e terminam seu testemunho sempre com a frase: “Eu sou a Universal!” Esta é uma propaganda motivacional que visa vincular a ideia de prosperidade, de conquistas, de sucesso e felicidade àquela denominação religiosa. Pessoas há que estimuladas pelo marketing agressivo, tornam-se simpatizantes e até seguidoras deste tipo de evangelho cujo foco está no sucesso temporal, e não na salvação eterna. Interessante que, ao contrário destas pessoas, os heróis da fé não tiveram vida fácil. Na verdade, o escritor bíblico diz que eles “morreram na fé, sem ver o cumprimento das promessas…” Simplesmente creram. Se guiaram pela fé e não por vistas. Viveram na Terra como estrangeiros e peregrinos (Hebreus 11:13).

Dentre os personagens mencionados no capítulo 11 de Hebreus, a narrativa sobre Moisés é realmente interessante e oportuna. Diz o texto: “Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado; tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa. Pela fé deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível.” (Hebreus 11:24-27). Ele tomou o caminho contrário ao que prega hoje o evangelho da prosperidade: recusou ser chamado filho da filha de Faraó, o que significa que rejeitou todas as glórias e benesses do reino, escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, considerando obedecer a Deus algo mais precioso que os tesouros do Egito. No final, não entrou na Terra, apenas a viu de longe.

O texto bíblico ainda diz: “E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados” (Hebreus 11:36,37).

Certamente, pessoas como os heróis da fé não podem ser garotos-propaganda deste falso evangelho. O que teriam a dizer se testemunhassem naquele comercial de TV? Contar suas humilhações não seria politicamente correto.

O que é mais importante, ser cristão, ser guiado pela fé, ainda que em meio ao sofrimento, ou ser a Universal? Eu já fiz a minha escolha, e você?

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Eu me envergonho…

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.” (2 Timóteo 2:15)

pastor
Imagem: Unsplash


Pr. Cleber Montes Moreira

 

Paulo exorta a Timóteo para que se apresente perante Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar. Assim também deveria ser a vida de todo pastor: andar à vista do Altíssimo, aprovado, exercendo o ministério com integridade, não tendo do que se envergonhar diante de Deus nem dos homens. Entretanto, há tantos que se tornam causa de escândalos e pedras de tropeço. O pior é que muitos não sentem vergonha de seus atos, às vezes, cometidos intencionalmente. Há pastores, e há os lobos em pele de pastor.

Há muitos que se envergonham quando erram e retomam o caminho, há os que não sentem vergonha alguma, e há os que nos causam vergonha…

Eu me envergonho quando vejo pregadores cobrando altos cachês para pregarem em igrejas e em eventos.            

Eu me envergonho dos pastores que agem como “animadores de auditório”, como humoristas, cativando atenção para si e não para Deus.

Eu me envergonho dos pastores que deixam de prover alimento para prover entretenimento para suas ovelhas.

Eu me envergonho dos pastores que se esquecem da Bíblia e capricham em citar frases e ensinos de certos personagens que não têm nenhum compromisso com a Verdade.

Eu me envergonho dos pastores que trocam a teologia bíblica pela sabedoria humana.

Eu me envergonho quando vejo pseudopastores brigando em redes sociais e se atacando mutuamente.

Eu me envergonho quando vejo pastores praticando deliberadamente o proselitismo, pescando em aquários, investindo, desonestamente, sobre o rebanho que Deus confiou a outro.

Eu me envergonho quando certos líderes e pregadores pedem, sem qualquer pudor, dinheiro para proveito próprio, com a desculpa de sustentar seus ministérios, para depois ostentarem mansões, carrões e até jatinhos.

Eu me envergonho de ver tantos obreiros banalizando o casamento, divorciando-se de suas esposas sem motivo justo e se envolvendo em outros relacionamentos (ou aventuras amorosas).

Eu me envergonho dos pregadores que usam a Bíblia a pretexto de suas más intenções, citando textos isolados e interpretando-os de forma interesseira.

Eu me envergonho dos pastores que não conhecem a Bíblia.

Eu me envergonho dos pastores que desprezam a oração e a vida devocional.

Eu me envergonho dos pastores que pregam o que não vivem.

Eu me envergonho dos pastores que pregam o liberalismo em suas igrejas, consentindo imoralidades e abrindo as portas para o mundo entrar.

Eu me envergonho dos obreiros que, em nome do amor, se desviam da Sã Doutrina, como se o verdadeiro amor pudesse subjugar a verdade.

Eu me envergonho dos que pregam um evangelho inclusivo, a pretexto de consentirem que suas ovelhas vivam na prática de certos pecados, bem como de atrair pessoas sem visar sua transformação em Cristo.

Eu me envergonho de pastores que colocam certas teologias, movimentos e correntes acima da Bíblia, e cultuam certos personagens, dando a eles ênfase exagerada.

Eu me envergonho dos pastores que não zelam por seus púlpitos, entregando-os a qualquer um.

Eu me envergonho dos pastores que não zelam pela coerência da música em suas igrejas, permitindo que se cante de tudo, inclusive músicas com letras que contradizem a fé cristã.

Eu me envergonho dos pastores que fazem acordos e militam na política para dela se beneficiarem, muitas vezes transformando seus púlpitos em palanques, e suas igrejas em “currais eleitorais”.

Eu me envergonho dos pastores que não se dedicam ao pastoreio, mas que agem como tecnocratas eclesiásticos, sendo, muitas vezes, excelentes administradores, porém péssimos e negligentes no cumprimento de sua verdadeira missão.

Eu me envergonho dos pastores que impõem suas mãos precipitadamente sobre candidatos despreparados, de convicções duvidosas, seja por amizade, política de boa vizinhança ou qualquer outro motivo, desprezando as exigências bíblicas para o ministério.

Eu me envergonho dos pastores que aderem ao politicamente correto e desprezam o bíblico.

Eu me envergonho dos pastores que não exercem a disciplina sobre seu rebanho.

Eu me envergonho dos pastores que, por covardia, na intenção de não prejudicarem seus ministérios, não ousam mexer com certas pessoas, ou famílias da igreja, quando estas necessitam de disciplina.

Eu me envergonho dos pastores que abrem as portas para heresias.

Eu me envergonho dos pastores que glorificam a si mesmos, que alimentam a sua vaidade, em vez de glorificar ao Senhor dos Senhores.

Eu me envergonho…

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Seguir o amor, ou seguir a Verdade?

A “doutrina do amor” — falso amor — é o referencial para aqueles que desprezaram a Bíblia; é fonte normativa e instrumento para a “reimaginação” de toda estrutura considerada “injusta” e “opressora”

Bíblia
Imagem: Priscilla du Preez, Unsplash


“Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.” (Efésios 4:15)


Pr. Cleber Montes Moreira


Há um falso evangelho sendo alardeado, fundamentado e pautado no amor — ou, pelo menos, no seu entendimento hodierno. Relembro o caso do pastor, expoente deste “evangelho”, que publicou em seu perfil no Facebook: “Onde estiver o amor, ali estou eu.” A teologia deste evangelho é chamada de Teologia Inclusiva, e seus seguidores enfatizam o amor em detrimento da verdade. Este é um cristianismo que descamba para o universalismo. Na prática, se alinha a certas ideologias políticas, milita em defesa de certas minorias e pela inclusão de pessoas sem o arrependimento na membresia das igrejas, desconsiderando que a mensagem cristã, proclamada pelo próprio Cristo, consiste em “Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.” (Mateus 4:17). É como se dissessem aos pecadores: “Venham, possuam o reino e continuem como estão.”

Uma pastora, também expoente deste pensamento, disse num encontro que os valores da sociedade não caem prontos do céu, mas são produzidos a partir das perspectivas de diferentes grupos, incluindo os valores sexuais. A proposta do movimento que ela representa é uma releitura, uma reinterpretação, uma reimaginação da igreja, da fé, e mesmo das Escrituras. Uma igreja que aderiu a este pensamento, e que decidiu em sua assembleia receber homossexuais em sua membresia — o que implica batizá-los, realizar casamentos homoafetivos, conferir-lhes direitos e deveres —, justificou-se, por intermédio de seu pastor, com estas palavras: “O que a Igreja *** fez, revela que, mesmo não tendo todas as respostas para a questão da homossexualidade na Bíblia ou na doutrina histórica, decidimos seguir o caminho do amor.” Observem que o amor, e não a Verdade, é o referencial para a tomada de decisões, embasamento doutrinário e reimaginação de toda estrutura que se considera injusta e oposta ao amor.

Seguir o amor é um discurso politicamente correto, bonito, bem-aceito, que soa como acolhedor, inclusivo… Mas é, antes de tudo, diabólico. É uma perversão da Palavra de Deus, e o que o diabo mais sabe fazer é dar um novo sentido ao que Deus disse. Foi com este artifício que enganou Eva e Adão, tentou enganar a Jesus e tem enganado a muitos.

Percebam que Paulo exorta a seus leitores para que sigam a Verdade em amor, e não para que sigam o amor. A verdade a que se refere é o senhorio de Cristo, sua doutrina, elemento que propicia crescimento e firmeza, inclusive contra as heresias. Seguir o “amor” é seguir o engano, é falhar, é se afastar de Deus, é ser “meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.” (Efésios 4:14). Seguir a Verdade em amor é seguir o Mestre.

Quem segue o amor está no mundo, quem segue a Verdade em amor está em Cristo. Pense nisso!