download download download download download

Mostrando postagens com marcador Noticia comentada. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Noticia comentada. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Mamãe ou Papai?

 “Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos inteligentes.” (1 Coríntios 1:19)

mamãe ou papai

Opinião


Pr. Cleber Montes Moreira


A Revista Crescer publicou, no dia 23 de setembro, com base numa entrevista com a enfermeira Aline Oliveira, matéria intitulada “Homem trans descobre gravidez de gêmeos com cinco meses”1. No texto o uso de “ele”, “dele”, “o gestante”, “o paciente” etc., segue a tendência do “politicamente correto” como padrão quase universal adotado pela imprensa. Em certo momento a entrevistada, tratando sobre a decisão “do gestante” por ficar com os bebês, após desistir de entregá-los para adoção, diz: “É legal o posicionamento dele, ele diz que não vai ser mãe, vai ser pai”. Entretanto, logo após escorrega ao afirmar: “Ela disse que não se sente confortável em amamentar e nós percebemos já o incomodo dele com os seios crescendo por causa do leite. É um sofrimento para ele” — a entrevistada começa com “ela”, depois usa os pronomes “dele” e “ele”.

Não trato aqui especificamente sobre o caso deste “grávido” — o debate não é sobre pessoas —, mas sobre a questão da gravidez (indesejada ou não) de “homens trans” como algo que ocorre com certa frequência2, o que demonstra que a negação do sexo biológico afronta a natureza, e ela não deixa barato.

Pense comigo: Como um “homem trans” engravida? Fazendo sexo, obviamente que assumindo na hora do ato o papel de mulher. E como podemos chamar homem alguém que tem vagina, útero, menstrua, engravida, os seios crescem durante a gravidez e é capaz de amamentar? Por mais que a falsa ciência queira negar o padrão de Deus e colaborar na perversão humana, a natureza, seguindo o curso determinado pelo Criador, sempre prega uma peça nos “sabichões” — e assim o Eterno vai destruindo a “sabedoria dos sábios” e aniquilando a “inteligência dos inteligentes”.

Segundo o Dicionário Michaelis Online, homem é “o ser humano do sexo masculino”3, enquanto mulher é “ser humano do sexo feminino”4. É evidente que isso não é uma “construção social”, mas determinação daquele que “homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27). Jesus mesmo afirmou: “Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea” (Marcos 10:6), e isso não pode ser mudado — a natureza está aí para provar.


1 https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/noticia/2020/09/homem-trans-descobre-gravidez-de-gemeos-com-cinco-meses.html (acessado em 23 de setembro de 2020)

2 No dia 24 de setembro de 2020 fiz uma busca no Google por “homem trans engravida” obtendo “aproximadamente 35.800 resultados”

3 https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/homem/

4 https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/mulher/

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Nova Ordem Mundial: ONU sugere “linguagem neutra” e inclui ‘marido’ e ‘esposa’ em lista de termos ‘indevidos’

Ressignificar termos e implementar um vocabulário “inclusivo” são apenas algumas das estratégias para destruir a família e pavimentar o caminho da Nova Ordem.

ONU


Seguindo a tendência da agenda global, faz alguns anos que dicionários, como o Michaelis, por exemplo, mudaram a definição de “casamento” de “união legítima entre homem e mulher” para “ato solene de união entre duas pessoas”.1 O Dicionário Online da Língua Portuguesa (Dicio) traz “união que, efetuada de modo voluntário e entre duas pessoas, é sancionada de acordo com a lei, dando origem a uma família”, porém, menciona logo abaixo o que considera “uso antigo” do termo: “união entre um homem e uma mulher e sua relação conjugal.”2

O esforço para a desconstrução dos valores judaico-cristãos e do pensamento conservador para a implementação de uma nova ordem inclui várias ações, dentre elas leis que permitam o direito ao “nome social” nos documentos, o ensino da ideologia de gênero nas escolas, a propaganda midiática, o acesso aos tratamentos e cirurgias para mudança de sexo, a descriminalização do aborto e quebra de outros paradigmas contando, inclusive, com financiamento pesado. Organizações como a OMS e a ONU, dentre outras, agem como braço político de um ‘governo global’ ainda invisível para muitos, mas atuante e determinante para a execução deste projeto ideológico.

No dia 18 de maio a Organização das Nações Unidas (ONU) publicou em sua timeline no Twitter: “O que você diz importa. Ajude a criar um mundo mais igual, usando linguagem neutra em termos de gênero, se não tiver certeza sobre o sexo de alguém ou se referir a um grupo”. Abaixo do texto, uma tabela contendo sugestões de palavras que devem ser trocadas por outras de ‘gênero neutro’. Dentre as sugestões, o uso de “cônjuge” em lugar de “marido” e “esposa”. O texto ainda propõe que a palavra “salesman” (vendedor) seja substituída por “salesperson”, trocando o “man” (homem) pelo genérico “person” (pessoa). Da mesma forma, as palavras “mankind”, “chairman”, “congressman”, “businessman”, “fireman”, trocando, assim, os termos tradicionais por termos neutros. O esforço é para tornar o discurso mais “inclusivo”.


 

A desconstrução dos fundamentos basilares da sociedade e a instauração de uma nova ordem passa, imprescindivelmente, pela mudança de pensamento. Tenho repetido que estamos numa guerra e que o terreno a ser conquistado é a mente das pessoas. Nossos valores são formados na mente — convicções, valores morais, conceitos religiosos etc. — e a família tem papel fundamental nisso. É por isso que “os mandamentos, os estatutos e os juízos” dados por Deus deveriam ser ensinados às futuras gerações para que não fossem esquecidos: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos” (Deuteronômio 6:1,6-8). É assim que Timóteo trazia sempre à memória a “fé não fingida”, a qual habitou primeiro em sua avó Lóide, e em sua mãe Eunice (2 Timóteo 1:5). Não que a fé seja hereditária — ela é uma experiência pessoal —, mas sim que o conhecimento transmitido coopera para a formação de valores (pensamento) e contribui para o surgimento da fé, “de sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus” (Romanos 10:17). É a partir de quando cremos que em nós é formada a “mente de Cristo” (1 Coríntios 2:16), que se desenvolve na medida da ‘renovação do nosso entendimento’ (Romanos 12:2).

Ressignificar termos e implementar um vocabulário “inclusivo” são apenas algumas das estratégias para destruir a família e pavimentar o caminho da Nova Ordem. Pense nisso!


1 https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/casamento/ (acessado em 19 de junho de 2020)

2 https://www.dicio.com.br/casamento (acessado em 19 de junho de 2020)