download download download download download

sábado, 25 de julho de 2020

Pedofilia, ‘coitadismo’ e Nova Ordem

Estamos testemunhando a celebração do ‘coitadismo’. A vitimização dos “coitados”, tendo a grande mídia como aliada, visa atenuar certas práticas, antes inaceitáveis, e gerar comoção social, abrindo terreno para a descriminalização e normatização de certas condutas

menina
Imagem: Pixabay


“Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!” (Isaías 5:20 – ACF)


Pr. Cleber Montes Moreira


“A pedofilia é uma doença crônica que não tem cura, mas tem tratamento.” Esta é a frase com a qual uma apresentadora de TV inicia uma conversa com outra repórter, quando também afirma que os “pedófilos sofrem de um transtorno”, e que “há muito preconceito quanto a isso, pois é o tipo de crime que nos enoja muito como sociedade, mas fato é que é uma doença, não tem cura, mas tem tratamento”.1

Em matéria publicada no Portal G1, na aba “Ciência e Saúde”, por Tatiana Coelho, em 13 de março de 2019, lemos: “Comumente, diz-se que ‘pedofilia é crime’, mas não é exatamente assim. Pedofilia é uma doença classificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) desde os anos 60. Segundo o Código Penal brasileiro, o que é crime é o abuso sexual de menores de 14 anos e consumo e distribuição de pornografia infantil.” A articulista cita Danilo Baltieri, médico psiquiatra da Faculdade de Medicina do ABC e responsável pelo Ambulatório ABCSex, que trata pedófilos: “Existe uma dificuldade do profissional da saúde em enfrentar este tema, que não é fácil. Existe um preconceito público enorme, o que é totalmente compreensível, e o assunto é complexo mesmo. É difícil. E ainda: “doenças crônicas como depressão, diabetes e hipertensão ganham mais atenção da medicina” por causa do tabu.2

No site do CONJUR, em artigo intitulado “Pedofilia não é um crime, mas, sim, uma doença”3, Denis Caramigo afirma que:

A pedofilia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) é uma doença em que o indivíduo possui um transtorno psicológico e, assim sendo, apresenta um desejo, uma fantasia e/ou estímulo sexual por crianças pré-púberes (…)

A pedofilia é uma doença e, como tal, deve ser encarada e tratada (…)

Ninguém pode ser punido criminalmente por ter alguma doença, porém, quando o pedófilo (quem tem pedofilia) exterioriza a sua patologia e essa conduta se amolda em alguma tipicidade penal, estará caracterizado o crime (da tipicidade incorrida e não de pedofilia).

Importante ressaltar que não existe cura para a pedofilia e, por este motivo, o pedófilo (que é quem padece de pedofilia) deve ter acompanhamento clínico constante para que não exteriorize a sua patologia.

Há de se dizer que nem todo pedófilo é um “criminoso”. Só comete crime aquele que exterioriza a sua pedofilia.

              No texto o autor faz distinção entre o “doente psicológico sexual” e o “criminoso sexual” (no caso, aquele que exterioriza a pedofilia).

              Para a OMS (Organização Mundial da Saúde) a pedofilia é caracterizada como doença e é classificada na CID (Classificação Internacional de Doenças) com o código F65.4, que a define como: “Preferência sexual por crianças, quer se tratem de meninos, meninas ou de crianças de um ou de outro sexo, geralmente pré-púberes”.

Ricardo Bordin, em seu artigo “‘Pedofilia — Doença Ou Crime:’ A Estratégia de Aceitação do Inaceitável”4, comenta sobre a questão:

Conforme o artigo 121 do Código Penal, “matar alguém” é crime. Pensar em matar alguém não é. Desejar que beltrano morra também não. Imaginar que esse mundo ficaria um pouco melhor se fulano morresse também não dá cadeia.

Vale constatar: a lei penal define como crime determinadas ações ou omissões passíveis de serem praticadas pelos indivíduos e fixa a punição adequada. Nosso ordenamento jurídico não prevê o “crime de pensamento”, que consistia, no romance 1984, de George Orwell, em insurgir-se mentalmente contra o sistema totalitário, sem nem mesmo verbalizar esta insatisfação.

Quer dizer, se a pessoa limita-se a abstrair em sua consciência a respeito daquele ato vetado pela legislação penal, sem jamais empreender esforços para materializar sua fantasia, então não houve vítimas, nem tampouco há prejuízo para terceiros, e, portanto, não há que se falar em comportamento criminoso.

Pois este é o primeiro passo da estratégia que o movimento revolucionário vem adotando em sua empreitada pela normalização da pedofilia no imaginário popular: confundir fetiche com conduta. (grifo meu)

Estamos testemunhando a celebração do ‘coitadismo’. Coitado do motorista bêbado que dirigia em alta velocidade quando atropelou na faixa de pedestres o jovem estudante que ia para a faculdade. Coitado do chefe da boca de fumo que morreu em confronto com a polícia. Coitadinho do menor que deflorou e matou a jovem cheia de sonhos. Coitado do jovem da comunidade, baleado por policiais enquanto fugia após praticar um latrocínio. Coitados dos adolescentes que invadiram a residência, amarraram o pai de família, apontaram uma arma para o bebê e estupraram a mulher. Coitado do político corrupto, preso “injustamente”. Coitado do pedófilo que violentou a menininha de apenas seis anos, ele é doente e precisa de ajuda. Coitadas das vítimas da sociedade opressora. Coitados…

A vitimização dos “coitados”, tendo a grande mídia como aliada, visa atenuar certas práticas, antes inaceitáveis, e gerar comoção social, abrindo terreno para a descriminalização e normatização de certas condutas. O pedófilo da novela e a série de reportagens sobre pedofilia fazem parte de um grande projeto de marketing de uma nova moralidade que é imposta à sociedade, não com terror e violência, mas com sutileza. Assim, o que era imoral passa a ser “moral”, o que era ilegal passa a ser legal, o que era incorreto passa a ser politicamente correto. O grande passo para a normatização da pedofilia será dado quando, para proteger os pequeninos, o Estado declarar que os “interesses das crianças” devem prevalecer sobre os interesses e direitos dos pais em educá-las, e tornar este pensamento em lei. Percebam que zelar pelos direitos e/ou interesses das crianças é algo “bom” “natural” e “inquestionável”. Você até pode pensar que estou delirando, mas no Canadá uma lei com este teor já foi aprovada:

A província de Ontário, no Canadá, aprovou uma lei no início de junho que deixou os cristãos evangélicos, que defendem os interesses da família, em pé de guerra com os políticos seculares, que defendem os interesses das crianças e adolescentes.

A Lei de Apoio a Crianças, Adolescentes e Famílias (Supporting Children, Youth and Families Act), de 2017, aprovada pela assembleia legislativa da província (de Ontário) por 63 votos a 23, proclama, em sua justificativa, que a legislação deve ser centrada na criança e nos interesses da criança — e não nos pais.

A nova lei também coloca os direitos da criança e do adolescente acima dos direitos dos pais (…).5

Em alguns países da Europa e nos Estados Unidos já existem associações civis, e até partidos políticos, que lutam pelo direito de adultos e crianças se relacionarem afetiva e sexualmente. No Brasil, o então presidente do Grupo Gay da Bahia, Luiz Mott, que já afirmou que Jesus era um sodomita ativo e João seu amante favorito, autor de “Meu Moleque Ideal”6, declarou várias vezes sua preferência por garotos. E quando o “amor entre homens e meninos” for considerado normal, e do interesse da criança? A lei estará ao lado de quem?

Vivemos dias de inversão de valores, mas não por acaso. A mudança de paradigmas não acontece abruptamente, mas de forma sutil, embora neste tempo percebamos (para quem enxerga) alguma celeridade. É que toda preparação para a desconstrução social não é de agora: ideias e conceitos foram “semeados” ao longo de muito tempo, e hoje “frutos” maduros desta semeadura estão sendo colhidos. As escolas, principalmente as universidades, e a grande mídia são instrumentos eficazes para estas transformações. Movimentos pró LGBTs, pró-aborto, inclusive de bandeira evangélica, são apenas algumas forças dentre tantas engajadas nestas mudanças. Agora, o tema da vez é a pedofilia: “Pedófilo é um doente, um coitado que precisa de ajuda.” O caos foi instaurado, e uma Nova Ordem está sendo estabelecida, acolhida por uma ‘nova consciência’ coletiva, devidamente ‘planejada’ para este momento. Pergunto: como você reage a tudo isso?


1 http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/pedofilia-e-uma-doenca-que-nao-tem-cura-mas-tem-tratamento/6258247/ (acessado em 01 de agosto de 2018)

2 https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/03/13/pedofilia-como-o-tratamento-feito-no-brasil-pode-ajudar-a-prevenir-crimes.ghtml (acessado em 25 de julho de 2020)

3 https://www.conjur.com.br/2017-nov-10/denis-caramigo-pedofilia-nao-crime-sim-doenca (acessado em agosto de 2018)

4 https://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/artigos/pedofilia-doenca-ou-crime-estrategia-de-aceitacao-inaceitavel/ (acessado em 01 de agosto de 2018)

5 https://www.conjur.com.br/2017-jun-07/ontario-pais-podem-perder-filhos-negarem-identidade-genero (acessado em 02 de agosto de 2018)

6 http://blogdemirianmacedo.blogspot.com/2011/02/meu-moleque-ideal-luiz-mott.html (acessado em 03 de agosto de 2018)