download download download download download

sábado, 24 de outubro de 2020

Onde está a cruz?

A cruz é o lugar onde renunciamos à nossa própria vida para desfrutarmos da vida abundante que só Cristo pode dar; uma vida cujo prazer, contentamento e propósito está naquele que é o autor e consumador da nossa fé. A cruz é o lugar onde é mortificado o adorador de si mesmo para, na Palavra e pelo poder do Espírito, ser gerado um novo ser capaz de adorar a Deus em espírito e em verdade

ao pé da cruz
Imagem: Pixabay

“Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos renoveis no espírito da vossa mente; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade.” (Efésios 4:22-24)


Pr. Cleber Montes Moreira


Numa postagem no Facebook uma internauta elogiava jovens evangélicos de um determinado grupo por sua prontidão para servir “atendendo ao chamado”. Nas fotos, jovens descontraídos, demonstrando alegria, em cenas divertidas. Nos vídeos, coreografias ao som de músicas dançantes em ambiente com paredes escuras e luzes de neon — não consegui identificar se a celebração cúltica ocorria num templo religioso ou outro espaço próprio para shows. No palco “animadores” e “dançarinos” comandavam a galera, tendo num telão projetada a imagem de um leão. Durante aquela performance espetacular a maioria, aglomerada, usava máscaras — não entendi se em obediência a algum protocolo determinado por algum decreto, em decorrência da pandemia, ou se, inconscientemente, como indicativo de falsa espiritualidade.

 

Observando atentamente aquelas fotos e vídeos, notando com atenção cada cena registrada do ambiente, surgiu em minha mente uma pergunta inquietante: Onde está a cruz? Não falo sobre uma cruz de madeira, metal ou outro material, pendurada em algum pescoço, fixada ou projetada numa parede — porque este tipo de cruz não havia, mesmo —, mas da cruz do evangelho. Falo da cruz sobre a qual Jesus falou: “E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim” (Mateus 10:38). Falo da cruz sem a qual ninguém é, verdadeiramente, cristão. Falo da cruz de quem renunciando à sua vida, por amor ao Senhor, encontra a vida abundante que só Cristo pode dar (Mateus 10:39); uma vida cujo prazer, contentamento e propósito está naquele que é o “autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus” (Hebreus 12:2); uma cruz pela qual somos libertos da antiga natureza, do velho modo de viver, corrompido pelos desejos impuros e pelo engano, tendo nossos pensamentos e atitudes renovados pelo Espírito Santo, sendo, agora, revestidos por uma nova natureza, criada para ser justa e santa, segundo o padrão de Deus (confira Efésios 4:22-24); falo da cruz que nos transforma em “verdadeiros adoradores” cuja adoração é “em espírito e em verdade” (João 4:22-24), não na carne, não no engano, não movida pelo hedonismo, tendo não o homem, mas Cristo como centro e Sua glória como propósito.

 

Culto a Deus não é oferecido com agitação de corpos, danças, gritos, cambalhotas, declarações triunfalistas, sermonetes descontextualizados… Devemos aprender com Paulo que o culto racional se pratica na inconformação com o mundo, renovação da mente e na experiência da vontade de Deus mediante a apresentação dos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus (Romanos 12:1,2). Precisamos aprender da experiência de Isaías, quando os serafins em reverência cobriam com suas asas seus rostos e pés enquanto declaravam que “Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória”, e com o profeta que, diante da presença de Deus, em temor e reconhecimento, exclamou: “Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos” (Isaías 6:3).

 

As igrejas falham quando proveem entretenimento para os jovens como estratégia para atraí-los ou “mantê-los na igreja”, produzindo, assim, um estilo carnal de ‘adoração’ descolada da cruz. Charles Spurgeon, dizia: “o diabo raramente teve uma ideia mais sagaz que sugerir à igreja que parte da sua missão é fornecer entretenimento para as pessoas, tendo em vista conquistá-las”. Não sou contra o entretenimento, no tempo e no espaço próprio, mas entendo que o “evangelho do entretenimento” não leva ninguém ao Salvador, não produz discípulos de Cristo, embora seja eficaz em produzir adesões; afinal, é natural que jovens de vida secular sejam facilmente atraídos por este tipo de oferta, uma vez que encontram na “igreja” atrativos que há mundo. Além disso, podem levar uma “vida divertida”, e até liberal, seguindo um falso evangelho capaz de aplacar suas consciências. Não é sem motivo que certa ocasião, uma famosa atriz, ao dar seu testemunho — ou tristemunho — declarou que escolheu ser membro de uma determinada igreja porque lá não havia regras, e que podia estar em comunhão com Deus e continuar fazendo tudo o que fazia antes. Certamente que o diabo se especializou em oferecer ao pecador um evangelho palatável, que não requer abnegação nem santidade, um evangelho sem exigências e sem a cruz.

 

Pensemos no que disse Joe Thorn: “A infiltração do entretenimento dentro do culto não é uma questão de estilo, mas de substância. O entretenimento é uma coisa boa, mas o seu propósito é o alívio da mente e do corpo, não a transformação da mente ou a edificação do espírito.”

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Evangelho ou mero comércio?

Cada vez mais os oportunistas usam do evangelho como ferramenta para bons negócios. Quem não tem base bíblica, já não consegue mais distinguir entre o que é o evangelho e o que é apenas comércio

livraria
Imagem: Unsplash

“E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E, por avareza, farão de vós negócio com palavras fingidas…” (2 Pedro 2:1-3)


Pr. Cleber Montes Moreira


Certa vez estive numa livraria evangélica onde fui comprar um DVD de um filme para presentear. Enquanto escolhia, achei inúmeros títulos: mensagens de cunho neopentecostal, DVDs de “louvor profético”, de “dança profética” e até de aula de dança (não era do professor Carlinhos de Jesus). A variedade é imensa e atende a todos os gostos.

Um irmão que me acompanhava olhava as Bíblias, quando me perguntou: “Você já viu a Bíblia da Mulher?” Em tom de brincadeira disse que sim, mas que ainda não havia encontrado a Bíblia do Homem. Ele respondeu: “Existe!”, o que aguçou minha curiosidade e me levou a observar as várias Bíblias à disposição na loja: Bíblia do Adolescente (essa eu já conhecia), Bíblia da Vovó (e a do vovô, não tem?), Bíblia da Garota de Fé (essa me chamou a atenção), isso sem falar na Bíblia “Batalha Espiritual e Vitória Financeira” de Silas Malafaia e tantas outras. A variedade é grande e por isso não conseguiria enumerar todos os títulos aqui.

Na mesma loja, sobre o balcão, encontrei um convite impresso intitulado “7 passos para a vitória completa”, do qual transcrevo abaixo algumas partes:

Com a presença de 7 profetas de Deus que virão de outras cidades para orar por você e abençoar sua vida (…).

Um momento especial para você que busca cura para o corpo e alma, libertação das obras malignas, prosperidade espiritual e financeira, avivamento espiritual, transformação e salvação (…).

Serão 7 quintas-feiras que vão mudar a história da sua vida.

 

Eu perguntei, em tom de brincadeira, se aquela era realmente uma livraria evangélica.

Você já reparou na quantidade de livros para campanhas, no estilo quarenta dias disso ou daquilo?

Uma vez recebi uma ligação:

— Não sei se o senhor sabe, mas nós estamos numa campanha para aumentar o conhecimento bíblico nas igrejas. — Daí em diante a pessoa começou a fazer propaganda de livros, comentários, dicionários, Bíblias… Sem muita paciência para esperar a leitura do catálogo inteiro, a interrompi dizendo que no momento não tinha interesse. Mas fiquei pensando: “Aumentar o conhecimento bíblico ou as vendas?” Qual seria seu real motivo?

O que percebo é que cada vez mais o evangelho se transforma em oportunidade para bons negócios. E vale tudo para agradar e chamar a atenção do freguês. Desde o que ocorre nas lojas ao que acontece nas igrejas, tudo gira em torno do lucro ou do aumento das entradas financeiras. A fé nunca foi tão comercializada como hoje em dia. Quem não tem base bíblica, já não consegue mais distinguir entre o que é o evangelho e o que é mero comércio.

Este é um tempo de confusão.

sábado, 10 de outubro de 2020

Profetas e jumentos

Falsos profetas falam por conta própria, falam o que querem, proferem o engano, estão em trevas e não na iluminação do Espírito Santo

jumento
Imagem: Pixabay

“E a jumenta disse a Balaão: Porventura não sou a tua jumenta, em que cavalgaste desde o tempo em que me tornei tua até hoje? Acaso tem sido o meu costume fazer assim contigo? E ele respondeu: Não.” (Números 22:30)


Pr. Cleber Montes Moreira


O profeta Balaão foi chamado por Balaque, rei dos moabitas, para amaldiçoar o povo de Israel, ao qual temia. Para isso foram oferecidas ao profeta muitas riquezas. Balaão era ganancioso. Sabia que consultando a Deus não receberia nenhuma palavra contra os israelitas, como, aliás, aconteceu. Mas, em seu íntimo desejava os presentes oferecidos. Quando seguia para se encontrar com Balaque, a jumenta de Balaão vê um anjo, mas ele não. Por três vezes, ao empacar por causa do emissário de Deus em seu caminho, a jumenta é espancada. Então, o Senhor usa a boca da jumenta e repreende a Balaão.

O que destaco no texto é o fato de Deus ter falado por meio de uma jumenta. Animais não falam, mas a jumenta falou (“E a jumenta disse a Balaão”). Deus pode usar o que quiser para falar, embora prefira falar por meio de seus profetas humanos. Ele poderia falar por meio dos anjos, enviando-os à Terra para trazer sua mensagem, mas usou deste artifício raríssimas vezes. Poderia fazer ouvir do céu a sua voz, como o som de um trovão. Poderia usar qualquer criatura ou coisa se quisesse, mas não quis. Aprouve a Deus chamar e vocacionar pessoas para o ministério da pregação de sua Palavra. É por meio destes que Ele nos fala, mediante a revelação que está em Sua Palavra, a Bíblia. Entretanto, naquela ocasião, excepcionalmente, falou por meio de uma jumenta.

Pergunto: qual o conhecimento que a jumenta tinha sobre Deus? Certamente, nenhum. Jumentos não são seres intelectuais como nós. Possuem instintos, mas não capacidade intelectiva. Assim não poderia a jumenta aprender sobre Deus, ter experiência com Deus, nem se relacionar com Ele como podem os humanos. Mas, Deus falou pela boca da jumenta.

Sem a intenção de ser indelicado, mas na tentativa de provocar uma oportuna reflexão, é que afirmo: há muitos jumentos por aí falando em nome de Deus. Pessoas que não tiveram um encontro transformador com Cristo, que não buscam o conhecimento do Altíssimo, que não manejam bem a Palavra da Verdade, que não se relacionam nem colecionam experiências com o Divino. A jumenta de Balaão possui mais crédito que estes, uma vez que aprouve a Deus usá-la, mas os profetas aqui mencionados não são chamados, muito menos vocacionados. Falam por conta própria, falam o que querem, proferem o engano, estão em trevas e não na iluminação do Espírito Santo. A jumenta foi usada por Deus, mas estes…

Um dos jumentos de nosso tempo, cujo nome não mencionarei aqui, pregou, num de seus sermões que Jesus era muito rico, que tinha uma bela casa à beira-mar, e muitas outras baboseiras. O que dizer dos pregadores da prosperidade e seus sermões desconectados das Escrituras Sagradas? É… No tempo de Balaão houve uma jumenta profetisa1, hoje, há profetas jumentos. Perdoem-me os animais!


1  Força de expressão.

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Mamãe ou Papai?

 “Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos inteligentes.” (1 Coríntios 1:19)

mamãe ou papai

Opinião


Pr. Cleber Montes Moreira


A Revista Crescer publicou, no dia 23 de setembro, com base numa entrevista com a enfermeira Aline Oliveira, matéria intitulada “Homem trans descobre gravidez de gêmeos com cinco meses”1. No texto o uso de “ele”, “dele”, “o gestante”, “o paciente” etc., segue a tendência do “politicamente correto” como padrão quase universal adotado pela imprensa. Em certo momento a entrevistada, tratando sobre a decisão “do gestante” por ficar com os bebês, após desistir de entregá-los para adoção, diz: “É legal o posicionamento dele, ele diz que não vai ser mãe, vai ser pai”. Entretanto, logo após escorrega ao afirmar: “Ela disse que não se sente confortável em amamentar e nós percebemos já o incomodo dele com os seios crescendo por causa do leite. É um sofrimento para ele” — a entrevistada começa com “ela”, depois usa os pronomes “dele” e “ele”.

Não trato aqui especificamente sobre o caso deste “grávido” — o debate não é sobre pessoas —, mas sobre a questão da gravidez (indesejada ou não) de “homens trans” como algo que ocorre com certa frequência2, o que demonstra que a negação do sexo biológico afronta a natureza, e ela não deixa barato.

Pense comigo: Como um “homem trans” engravida? Fazendo sexo, obviamente que assumindo na hora do ato o papel de mulher. E como podemos chamar homem alguém que tem vagina, útero, menstrua, engravida, os seios crescem durante a gravidez e é capaz de amamentar? Por mais que a falsa ciência queira negar o padrão de Deus e colaborar na perversão humana, a natureza, seguindo o curso determinado pelo Criador, sempre prega uma peça nos “sabichões” — e assim o Eterno vai destruindo a “sabedoria dos sábios” e aniquilando a “inteligência dos inteligentes”.

Segundo o Dicionário Michaelis Online, homem é “o ser humano do sexo masculino”3, enquanto mulher é “ser humano do sexo feminino”4. É evidente que isso não é uma “construção social”, mas determinação daquele que “homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27). Jesus mesmo afirmou: “Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea” (Marcos 10:6), e isso não pode ser mudado — a natureza está aí para provar.


1 https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/noticia/2020/09/homem-trans-descobre-gravidez-de-gemeos-com-cinco-meses.html (acessado em 23 de setembro de 2020)

2 No dia 24 de setembro de 2020 fiz uma busca no Google por “homem trans engravida” obtendo “aproximadamente 35.800 resultados”

3 https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/homem/

4 https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/mulher/

sábado, 19 de setembro de 2020

Sobre falsos profetas

Os falsários da Palavra têm conhecimento intelectual sobre Deus, conhecem a Bíblia, mas sua pregação e comportamento contrariam os valores cristãos — o evangelho que pregam é cheio de sutilezas, forjado para enganar

Falso evanhgelho
Imagem: Pixabay

“Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.” (Mateus 7:15)


Pr. Cleber Montes Moreira


Certo dia, deixaram em minha mesa um artigo muito interessante, no qual o autor discorreu sobre dinheiro e prosperidade. Com certeza, a pessoa que deixou o texto o fez em tom provocativo, como uma brincadeirinha, já antevendo minha reação.

O autor falou sobre prioridades, ensinou que o dinheiro não é tudo, que não se deve amar e se deixar escravizar por ele etc. Coisas com as quais concordo. O único detalhe, capaz de me causar indignação, é a assinatura do texto. O autor é um dos maiores pregadores da prosperidade de nosso tempo, construtor de megatemplo, dono de rede de comunicação, vendedor de livros e de ilusões a incautos. Percebe-se aqui algo terrível: ele tem conhecimento intelectual sobre Deus, conhece a Bíblia, mas, na prática, sua pregação e comportamento se opõe aos valores do evangelho. É um enganador, um falso profeta, que se enriqueceu com dinheiro de fiéis. Basta uma busca pelo YouTube e lá encontraremos vídeos deste bispo, ensinando seus pastores sobre como tirar dinheiro das pessoas. Ele tem conhecimento intelectual, mas não conhecimento experiencial de Deus. É o tipo de incrédulo travestido de crente; um lobo em pele de ovelha — um incrédulo oculto.

Um jovem, muito habilidoso na música, ex-membro da igreja à qual servi, mudou-se de cidade. Um conhecido seu encontrou-se com outra pessoa, também daquela cidade, e perguntou: “Como está fulano?” A resposta foi: “Fulano está muito bem! Fundou uma igreja, já comprou carro, está enriquecendo…” Mais um conhecedor intelectual do evangelho, sem, entretanto, experiência transformadora com Cristo. Como estes, há muitos outros. O apóstolo Paulo assim os descreve: “Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo” (2 Coríntios 11:13). Conhecem a Luz, mas amam as trevas (João 3:19). Podem ter muito conhecimento da Bíblia, história, teologia, filosofia, mas não têm vida com Deus. São conhecedores do evangelho, mas não praticantes. O seu conhecimento não está à disposição do Reino de Deus, mas de seus próprios propósitos. Eles não fazem parte do Reino, não trabalham para o Reino, mas querem construir o próprio reino ou império.

Porque não os enviei, diz o Senhor, e profetizam falsamente em meu nome…” (Jeremias 27:15).

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Evangelho abracadabrista

 O precioso nome do Senhor Jesus tem sido vilipendiado por aqueles que o tomam indevidamente. “Em nome de Jesus” é a frase predileta de falsários da Palavra disfarçados de “homens de Deus”, que estão por aí enganando gente incauta

cruz e vela
Imagem: Pixabay

“E, havendo atravessado a ilha até Pafos, acharam um certo judeu mágico, falso profeta, chamado Barjesus.” (Atos 13:6)

 

Pr. Cleber Montes Moreira


Há pessoas que quando querem emagrecer, optam por dietas, remédios e até cirurgias para conseguirem seu intento. Mas, um pastor de Cariacica, na Grande Vitória, virou notícia em vários jornais por causa da promessa de emagrecimento instantâneo, que ficou conhecido popularmente por lipoaspiração divina. Disse o religioso, em entrevista a um jornal:

— Alguns estão acima do peso por problemas na tireoide e hipófise, mas já escutei o testemunho de fiéis que sentem como se tivessem passado por uma cirurgia e ficam até com cicatriz. Deus foi o cirurgião1.

Segundo ele, os fiéis que recebem a oração sentem como se ficassem anestesiados, entram em sono profundo e, quando acordam, já estão mais magros.

Quando tomo conhecimento de episódios como este, seja pelos jornais, pela TV ou outras fontes, logo penso numa palavra: abracadabra! Minha conclusão é que muita gente é iludida por um evangelho “abracadabrista”.

Segundo o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, “abracadabra” significa:

1. Palavra cabalística a que se atribuía a virtude de curar moléstias. 2. Amuleto com essa palavra inscrita. 3. [Figurado] Crença supersticiosa no poder dessa palavra. 4. Fórmula pronunciada geralmente na crença de que invoca poderes mágicos ou sobrenaturais. 5. Palavra ou expressão que não se percebe.

Conforme o Dicionário Web:

Palavra mágica, a que os antigos atribuíam a virtude de curar moléstias várias, e cujas letras deviam ser escritas em triângulo, de modo que pudesse ser lida de todos os lados.

Hoje, é uma palavra à qual se atribuem poderes mágicos. É bastante usada como palavra de encantamento por mágicos, ilusionistas, encantadores, feiticeiros etc. Provavelmente você já a tenha encontrado num livro, escutado num filme ou desenho animado e, talvez, a proferido durante alguma brincadeira de criança. Já “abracadabrista” diz respeito à “que ou pessoa que pratica abracadabra”.

O evangelho abracadabrista é cheio de magia e encantamentos:

“Abracadabra”, e o doente é curado;

“Abracadabra”, e a vitória é decretada;

“Abracadabra”, e o espírito mau é amarrado;

“Abracadabra”, e o sonho é interpretado;

“Abracadabra”, e uma nova profecia é revelada;

“Abracadabra” para emagrecer;

“Abracadabra” para deixar de fumar;

“Abracadabra” para prosperar;

“Abracadabra” para arranjar marido;

“Abracadabra” para trazer o amor de volta em sete dias etc.


O que muda, infelizmente, é a palavra de ordem para que a magia ou milagre se realize: o nome santo de nosso Senhor Jesus. Sim, o nome precioso de Cristo tem sido vilipendiado por aqueles que o tomam indevidamente. “Em nome de Jesus” é a frase predileta de ‘bruxos’ disfarçados de “homens de Deus”, que estão por aí enganando gente incauta. Não é sem motivo que o próprio Cristo tenha dito: “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores” (Mateus 7:15). E, ainda: “E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos” (Mateus 24:11). Eles não são enviados de Deus, embora profetizem falsamente em seu nome (Jeremias 27:15). Eles não merecem crédito, mas desprezo.           

Não se iluda, caro leitor, o verdadeiro evangelho não é mágica, nem encantamento, mas o poder de Deus para a salvação (Romanos 1:16). Não consiste em instrumento para a realização da vontade humana, mas na Palavra Viva e transformadora de vidas que se rendem a Cristo. O engano escraviza, mas a Verdade liberta. Pense nisso!


1 http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2013/11/pastor-promete-emagrecimento-instantaneo-atraves-da-oracao-no-es.html (acessado em 25 de abril de 2015)


sábado, 5 de setembro de 2020

Varinha de Condão

Os empreendimentos religiosos se sustentam por duas iniciativas: o desejo do (in)fiel, incauto, que busca soluções e/ou prosperidade fácil, e a ambição do lobo voraz, aproveitador, falsário da Palavra. Ambos pecam pelo apetite carnal e se afastam cada vez mais de Deus; o primeiro, às vezes, pela ignorância (e ganância), o segundo pela má-fé

vara mágica
Imagem: Pixabay

“E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.” (2 Pedro 2:1-3)


Pr. Cleber Montes Moreira


O que é uma vara de condão? É uma pequena vara usada por fadas, feiticeiros, mágicos e afins, que supostamente tem atributo especial ou poder sobrenatural para exercer uma influência negativa ou positiva e, hipoteticamente, mágica. Enquanto escrevo estas primeiras linhas, meu filho de seis anos* lê e observa:

— Pai, isso não existe!

Tudo bem, não se desespere, pois a Teologia da Prosperidade criou, faz algum tempo, diretamente de sua oficina, a caneta ungida. As esferográficas made in China, ungidas pelo “homem de deus” em algum monte por aí, prometem ser a vara de condão para quem quer passar em provas, concursos públicos, assinar contratos, abrir empresas etc. Para ter uma, basta ofertar, quer dizer, semear, a pequena quantia de cem reais. Uma proposta tentadora, já que os benefícios trazem retornos infinitamente maiores.

Pesquisando sobre o assunto, encontrei num site de leilões e compras virtuais uma caneta de marca nacional, também ungida, e cujo anúncio contém as mesmas promessas. Não sei se uma franquia da loja anterior, digo, igreja, ou se algum novo empreendedor, digo, homem de deus, que abriu concorrência. Fato é que já existem outros “investidores” oferecendo o mesmo produto, um gritando mais alto que o outro para atrair a freguesia.

Não é de hoje que objetos ungidos têm sido colocados nas prateleiras do mercado da fé. Água ungida, sal ungido, lenços, mantos, óleos, alianças, saquinhos de cimento, tijolos, colher de pedreiro, chaves, rosas, meias de algodão, lâmpadas benzidas em Israel, vassouras, kits de beleza, rendinha do milagre, fronha… Ufa! Quase perdi o fôlego. Não dá para listar aqui todos os itens, até porque O Fantástico Mundo dos Empreendedores da Fé sempre surpreende com alguma novidade1. É a lei da oferta e da procura que viabiliza os negócios de quem vende e quem compra. Chamar isso de evangelho é apenas questão de marketing; usar a Bíblia e afirmar falar em nome de Deus sempre dá bons resultados. A “fé”, sem a qual o “milagre não acontece”, é a “vara de condão” dos encantadores.

Os empreendimentos religiosos se sustentam por duas iniciativas: o desejo do (in)fiel, incauto, que busca soluções e/ou prosperidade fácil, e a ambição do lobo voraz, aproveitador, falsário da Palavra. Ambos pecam pelo apetite carnal e se afastam cada vez mais de Deus; o primeiro, às vezes, pela ignorância (e ganância), o segundo pela má-fé.

Se você busca sinceramente a Deus, esteja atento: Varinha de Condão não existe! Nossa esperança em Cristo não deve ser apenas para este mundo (1 Coríntios 15:19). O evangelho não é uma promessa de soluções fáceis, imediatas e temporais, mas a Boa Nova de perdão e salvação para aquele que, pela fé, renunciar a si mesmo, tomar a sua cruz e seguir após o Salvador (Lucas 9:23).


* Texto escrito em 2018


1 Veja aqui alguns destes objetos “ungidos”: https://www.youtube.com/watch?v=0o6rciU1SHY (acessado em 19 de abril de 2018).